Galinhada

Ingredientes:

1 galinha de 2 kilos;
4 colheres (sopa) de óleo;
2 dentes de alho amassados;
2 cebolas em rodelas;
2 tomates maduros;
2 pimentões;
1 maço de cheiro-verde;
1 folha de louro;
250 gramas de arroz;
açafrão (opcional);
suco de limão e
temperos à gosto.

Como fazer:

1. - Corte a galinha pelas juntas, lave em água com suco de limão e tempere.

2. - Numa panela grande, aqueça o óleo, acrescente o alho, as cebolas, os tomates, 1/3 dos pimentões e o açafrão. Em seguida, refogue a galinha, até dourar.

3. - Em seguida acrescente o arroz, refogando-o um pouco.

4. - Depois, encha a panela com água fervente (até dois dedos acima do arroz e dos pedaços de galinha).

5. - Cozinhe em fogo forte, com a panela tampada.

6. - Vire tudo em uma travessa e sirva.

Arroz com Pequi

Ingredientes:

250 gramas de arroz;
6 caroços de pequi, com polpa;
cebola;
alho;
cheiro-verde e
sal, à gosto.

Como fazer:

1. - Em uma panela, refogue os caroços de pequi em óleo;

2. - Tempere com sal, alho e cebola;

3. - Acrescente um pouco de água e deixe a mistura cozinhar até a água secar.

4. - Adicione o arroz e refoque bem.

5. - Coloque água (o suficiente), um pouco de cheiro-verde e deixe cozinhar.

6. - Depois de pronto, coloque o restante do cheiro-verde sobre o arroz.

7. - Ao servir, recomende que as pessoas não mordam o pequi, abaixo da polpa existem espinhos que podem machucar!

ARROZ COM PEQUI e GALINHADA.
Pratos típicos da culinária goiana, exibidos na segunda-feira, 1º de abril de 2002.

Raspe, cuidadosamente, a polpa de alguns pequis, para decorar e enriquecer o prato.
Coloque os pequis em uma panela com óleo e deixe que fritem um pouco. Tempere com sal, alho e cebola. Acrescente um pouco de água e deixe cozinhar (até a água secar).
A fruta é utilizada das mais variadas formas: cozido, no arroz, no frango, com macarrão, com peixe, com carnes, no leite, e na forma de um dos mais afamados licores de Goiás; seu grande atrativo, além do sabor, são os cristais que forma na garrafa, que dizem, são afrodisíacos. Comer pequi além de saudável e agradável, é uma ciência, quase uma arte: a polpa macia e saborosa deve ser comida com cuidado, uma vez que esta cobre uma camada de terríveis espinhos, que, se mordidos, grudam na língua e no céu da boca, provocando dores irritantes. O sabor vale porém, o risco; além disso, com o tempo, qualquer um domina a técnica. Alguma dicas de como se comer o pequi: 1 - Ele deve ser comido apenas com as mãos, jamais com talheres. 2 - Ele deve ser levado a boca para então ser "raspado " cuidadosamente com os dentes, até que a parte amarela comece a ficar esbranquiçada, ou os espinhos possam ser vistos. 3 - A propósito, a castanha dentro do caroço é uma delícia; para comê-la, basta deixar os caroços secarem por uns dois dias e depois torrá-los.
Sirva com mais folhas de cheiro-verde e decore com os pequis cozidos e as raspas da polpa. Lembrem-se que o pequi não deverá ser mordido, para evitar ferimentos na boca.
Quando a água do cozimento dos pequis secar, adicione o arroz e refogue por alguns minutos. Depois, acescente água (suficiente para cobrir o arroz) e algumas folhas de cheiro verde.
Para acompanhar, sugerimos uma salada de guaioba, uma espécie de palmito (amargo) encontrado na região.
Sirva bem quente. Decore com o cheiro-verde e o restante dos pimentões, cortados em rodelas.
Com uma faca bem afiada, corte os pedaços da galinha sempre pelas juntas. Depois, retire as peles (que engorduram demais o prato). Lave os pedaços com água e limão, tempere-os e reserve.
Em uma panela grande, aqueça o óleo, coloque o alho, as cebolas, os tomates, a folha de louro e parte do pimentão (picado). Adicione os pedaços da galinha e deixe fritar um pouco, até dourar. Em seguida, acrescente o arroz, cubra com água e deixe cozinhar até a carne ficar macia.
Reserve antecipadamente os ingredientes para a galinhada. Assim você ganhará tempo.
Não esqueça os limões: serão usados para lavar a galinha.
Para sobremesa, Cidinha mostrou no programa o requeijão e o doce da castanha de pequi. Infelizmente ambos são difíceis de ser encontrados fora de Goiás.
O Pequi é o símbolo máximo da goianidade, embora seja encontrado também em outros Estados. Apesar disso, é apenas em Goiás que existem todas as espécies, as quais frutificam, no seu conjunto, de setembro a fevereiro. Mas dada a sua extrema importância para a grande maioria dos goianos, ele é conservado tanto em essência quanto em conserva (cozido, preserva-se por meses em óleo).